Selena - Demi - Taylor S.



#.SelenaOn:

Acordei um pouco mais cedo que de costume hoje. - Acho que é ansiedade por causa da mudança. - Tomei um banho relaxante, vesti meus jeans favoritos, uma camiseta azul, minhas sandálias gastas, fiz um rabo-de-cavalo e escovei os dentes. - Fui para a sala. Meu pai varria o chão, enquanto Jasmine comia doritos, sentada no sofá com os pés na mesinha de centro. Fui para a cozinha, preparar o café da manhã. - Fiz o café, peguei o leite e a margarina na geladeira, os pães no armário, os copos na pia e coloquei na mesa. - Voltei para a sala.

Eu:Já fiz o café-da-manhã.
Jasmine:Oh! Aleluia. - disse se levantando e colocando o doritos na mesa. Ela começou a sair, e quando passou por mim, a segurei - Que foi, Selena?
Jasmine:Pega o pacote de salgadinhos.
Jasmine:Ai, Selena! Me solta.
Eu:Pega o pacote de salgadinhos, Jasmine!
Jasmine:Me deixa, Selena! - disse se soltando.
Eu:Vou falar pela última vez. Pega o pacote de salgadinhos! 
Jasmine:Que saco! - disse indo até a mesa. Pegou o saco de doritos e passou por mim bufando. - Você acha que é a mamãe. - falou alto.
Eu:Quer ajuda, pai?
Pai:Não precisa, filha. Vai tomar seu café. Temos que ir para a nova casa.
Eu:Ok. - fui até a cozinha. 

Na cozinha

Jasmine estava sentada na mesa, com os pés em uma cadeira, comendo pão e tomando café-com-leite.

Eu:Senta direito, Jasmine!
Jasmine:Não enche, Selena.
Eu:Jasmine, por favor... seja como uma garota normal e se senta na cadeira.
Jasmine:Não sou uma garota normal. As garotas normais têm celular, iPod, notebook e um guarda-roupa lotado.
Eu:Garotas ricas têm isso. Garotas normais ajudam a família. - disse passando margarina em um pão.
Jasmine:Aí! Lá vem você com o papinho "família". Você se acha só porque é a preferida do papai.
Eu:Nossa, Jasmine. Você é muito infantil. Quantos anos tem? Nove? - perguntei colocando café no copo.
Jasmine:Eu tenho quinze e você sabe.
Eu:Não parece. - dei uma mordida no pão.
Jasmine:(se levantou)Cala a boca, sua santa! - disse saindo da cozinha.
Eu:CRESCE, GAROTA! - gritei e ouvi ela resmungar.
Pai:(entrou na cozinha)Deixa ela, Sel.
Eu:Não, pai. A gente não pode deixar a Jasmine fazer o que quiser. Isso vai ser pior pra ela.
Pai:Ela esta nervosa com a mudança. Só isso.
Eu:Ela está nervosa com a nossa falta de dinheiro.
Pai:Não é assim, Selly.
Eu:É sim, pai. Ela acha que pra ser "legal" precisa ter celular, iPod, notebook e um guarda-roupa recheado.
Pai:Ela é só uma adolescente.
Eu:Eu também sou, e nem por isso sou assim.
Pai:Tenta entender. A morte da mãe de vocês foi difícil pra ela.
Eu:E pra mim também! Agora para de defender a Jasmine, porque ficar mimando ela, só vai ser pior. - saí da cozinha com meu pão e meu copo de café.

Já eram nove horas da noite quando chegamos à nova casa. - O novo patrão do meu pai nos levou até lá. Não era grande coisa. Havia três cômodos e um banheiro. Estava tudo "bem dividido", e como sempre Jasmine odiou. Até que não era ruim. 

Jeremy:É isso. Sei que não é grande, mas é o que temos.
Pai:Que isso, Jeremy. Está tudo ótimo. 
Jeremy:Então ok. O colégio das meninas começa amanhã.
Jasmine:Já? - Eu cutuquei-a com o cotovelo.
Jeremy:Sim. Começam amanhã.
Eu:Está tudo bem, senhor Jonas. 
Jeremy:Ótimo. Agora tenho que ir. 
Pai:Obrigado por tudo, Jeremy.
Jeremy:Que isso. Fale com a Erin se precisar.
Pai:Sim. Pode deixar.- eles deram um aperto de mão e o senhor Bieber saiu.
Jasmine:Vamos morar aqui?
Eu:É ótimo, Jasmine! O papai tem um emprego, não precisa pagar aluguel e vamos estudar em uma escola particular.
Jasmine:A única parte boa nisso.
Eu:(¬¬')Vou lá fora, pai. Respirar ar fresco.
Pai:Tudo bem, filha.

Saí de casa. Me sentei em uma das espreguçadeiras da piscina, e fiquei olhando as estrelas. - Por que minha mãe tinha que ter morrido? (suspiro) Logo agora, que eu preciso tanto dela. - Estava pensando em todas as voltas que minha vida deu, quando escutei alguém limpando a garganta. Me levantei assustada e olhei para trás. - Havia um garoto, de cabelos loiros, olhos castanho-mel, vestindo calça jeans, camiseta preta e colete jeans me olhando.

Garoto:Quem é você?
Eu:Selena. Muito prazer. - estendi a mão, mas ele não pegou. Continuou me olhando confuso - Sou filha do novo caseiro. - expliquei.
Garoto:Ah! - apertou minha mão - Desculpe. Meu pai disse que vocês chegariam hoje.
Eu:Pois é.
Garoto:Me chamo Justin.
Eu:Oi, Justin. - sorri de canto.
Justin:Então... vai estudar na mesma escola que eu, não vai?
Eu:Vou, sim.
Justin:Em que ano está?
Eu:Segundo.
Justin:Sério? Legal, mesmo ano que eu.
Eu:Pelo menos um conhecido.
Justin:Te apresento pros meus amigos. - sorriu de canto.
Eu:Obrigada.
Justin:De nada. - sorriu.

E então um garota apareceu - Era loura, olhos castanhos, magra. Vestia um vestido que parecia ser caro. E usava joias - e me olhou, curiosa.

Garota:Quem é essa coisa? - perguntou para Justin.
Justin:Essa é Selena. Filha do caseiro.
Garota:(me olhou com nojo)Ah, sim. Dá pra perceber que ela é bem pobrinha mesmo. - disse me olhando de cima a baixo.
Justin:Anna!
Eu:Não, não tem problema. Eu não sou rica mesmo.
Justin:Mesmo assim. O que você faz aqui? - perguntou para a metidinha, que acho que se chama Anna.
Anna:Ué. Não posso vir ver meu namorado quando quiser?
Justin:Hoje é segunda-feira. Sabe que sempre estou ocupado nas segundas-feiras. 

Percebi que eu já estava sobrando, então saí, sem que eles percebessem. Voltei para casa e me sentei na cadeira da cozinha, com o cotovelo apoiado na mesa e a o queixo na mão.

#.SelenaOff

Na piscina

Anna:Não está ocupado agora.
Justin:Estou conversando com a Selena. - olhou para trás de Anna - Onde é que ela foi?
Anna:Aí! Ela foi embora. Não está mais ocupado. - disse passando os braços envolta do pescoço dele.
Justin:Estou sim. Eu vou compor agora. - disse se afastando.
Anna:Ai, amor. Tem que ser agora?
Eu:Tem, Anna. Pode ir embora, por favor? 
Anna:Ok. Então até amanhã. - disse saindo.
Justin:(se sentou na espreguiçadeira, pensando)

Na casa dos Lovato

#.DemiOn

E mais uma vez eu estava preparando o jantar, já que a Judy, como sempre, não veio. - A louca da Dallas estava gritando com o namorado no celular e o David estava jogando futebol na sala. Minha mãe não vem jantar com a gente, está de plantão no hospital e meu pai está trancado no escritório.

Eu:DAVID! PARA DE JOGAR FUTEBOL NA SALA.
David:Para de ser chata, Demetria.
Eu:DALLAS, VEM JANTAR! DESLIGA ESSE CELULAR.
Dallas:NÃO ENCHE, GAROTA!

Me sentei na mesa e jantei sozinha. Deixei tudo preparado em quatro pratos, um para minha mãe, Dallas, David e meu pai. Lavei a louça e subi. - Tomei um banho, vesti meu pijama e fui dormir.

No dia seguinte

Acordei com o despertador tocando, o desliguei e fui tomar banho. Saí enrolada na toalha, peguei langerie e vesti. Então joguei a toalha no chão e fui escolher uma roupa. - Peguei uma saia de cintura alta preta, uma blusa branca, os vesti e calcei um peeptoe amarelo. Passei máscara-de-cílios incolor, blush cor-de-pele, e gloss rosa cintilhante/claro. - Peguei minha bolsa, guardei meus livros lá dentro, fechei a bolsa, peguei meu fichário e desci.

Na cozinha...

Cheguei e apaguei a luz, que estava acesa sem necessidade. Minha mãe estava de pé tomando um café, enquanto revisava alguma coisa na prancheta do hospital. David estava sentado com os pés na mesa, comendo um pedaço de bolo, e Dallas estava na maior melação com o namorado pelo celular, bebendo um suco de lata de manga, sentada no sofá e meu pai encostado na pilastra perto da TV, lendo jornal.

Eu:Bom dia, família. - disse abrindo a geladeira. 
Mãe:Bom dia. - esperei por mais respostas, mas ninguém ligou. Peguei um suco de pêssego de caixinha e fui para a copa. 

Me encostei na porta, e, enquanto bebia meu suco, atualizava meu Twitter no iPhone. - De onde estava, ouvia Dallas cheia de mel com o namorado que ela estava brigando ontem a noite. David murmurava alguma música de Heavy Metal. - Terminei o suco, guardei o celular no bolso, passei na cozinha, joguei a caixinha de suco no lixo, e fui para o banheiro. Escovei os dentes, peguei minha bolsa e meu fichário e desci.

Eu:Estou indo pra escola. Alguém vem comigo? - ninguém respondeu - Tchau. - saí e fechei a porta.

Entrei no carro, joguei a bolsa e o fichário no banco do carona, coloquei o cinto de segurança, o liguei e fui para a escola. No caminho, liguei o rádio. Estava tocando "Careful" do Paramore. Aumentei o som e segui cantando.

Na escola...

Desliguei o rádio, tirei o cinto de segurança, peguei minha bolsa e meu fichário, saí e tranquei o carro. Fui para o pátio, onde meus amigos ficam. - Justin estava sem a Anastasia, o que é estranho, e estava conversando com Miranda e Ariana.

Eu:Oi, gente.
Todos:Oi, Demi!
Eu:Onde está a enjoadinha da sua namorada? - perguntei pra Justin.
Justin:Não sei. Ainda não vi, mas espero não ver. - todos rimos.
Miranda:Eieiei! Quem é aquele? - apontou para a entrada do pátio, atrás de mim. Me virei e vi um garoto muito gato andando em direção à sala da diretora, que ficava atrás da gente.
Ari:Uaau! Que gato!
Justin:Ele me lembra alguém.
Miranda:Conhece esse ser perfeito?
Justin:Não sei. Só acho que já o vi em algum lugar.
Eu:Pois é. Também acho que ele lembra alguém que eu conheço, e muito bem.
Ari:Não sei, mas ele é gostoso.
Miranda:Com certeza.

O garoto passou por nós, e todos o seguimos com o olhar. Eu tinha certeza de que conhecia aquele rosto. Não sei de onde, mas eu conhecia. - Assim que o garoto entrou, duas garotas sairam. 

Justin:Selena! - falou alto e as garotas olharam em nossa direção. - Vem. - as meninas caminharam em nossa direção. - Selena, essas são minhas amigas; Demi, Miranda e Ariana. Meninas, essas são Selena e... - ele olhou para a garota de saia.
Garota:Jasmine.
Justin:Jasmine.
Eu/Miranda/Ari:Oi.
Selena:Oi.
Ari:Você sabe quem é o garoto que acabou de entrar na direção?
Selena:Não. Bom... sei que ele se chama Joseph Jonas. Só isso que ouvi.
Eu:Hm. 
Jasmine:Ah, Selena. Eu vou dar uma volta por aí. - disse saindo.
Selena:NÃO VAI MATAR AULA, HEIN.
Jasmine:CALA  A BOCA! - disse sem parar de andar.
Eu:É sua irmã?
Selena:É sim.
Justin:Por que você saiu daquele jeito ontem? 
Selena:Você estava com a sua namorada. Não queria te chatear por não dar liberdade à vocês.
Justin:Me chateou saindo daquele jeito e me deixando sozinho com aquela mala da Anna.
Miranda:Espera... de onde vocês se conhecem?
Justin:Selena e Jasmine são filhas do novo caseiro lá de casa. Elas moram naquela casinha atrás da piscina. Aquela onde a gente dormia quando éramos crianças.
Miranda:Ah! 
Ari:Hey, Jus.
Justin:O quê?
Ari:Seu pesadelo começa... - esperou alguns segundos e Anna abraçou Justin por trás - agora. Justin revirou os olhos e tirou os braços de Anna de sua cintura.
Anna:Oi, gato.
Justin:Oi.
Eu:Olá, Anastasia!
Anna:Oi, Demetria. - disse seca. - E o que você tá fazendo aqui? - perguntou olhando pra Selena.
Justin:Ela vai estudar aqui.
Anna:Quê? E com que dinheiro seu pai está pagando a mensalidade? Que seu saiba você é filha de um caseiro.
Selena:(discretamente, respirou fundo)O senhor Bieber, patrão do meu pai, está pagando as mensalidades. Minhas e da minha irmã.
Anna:E tem outra pobrinha estudando aqui?
Eu:Ai, fala sério, Kassar! Cala essa sua boca.
Anna:Olha como fala comigo, Lovato. 
Eu:Nem ligo. Vem, Selena. Vou te mostrar a escola. - disse puxando Selena pela mão.

As meninas me seguiram. Sinto muito pelo Justin, mas não aguento aquela namoradinha estúpida dele. Ele a odeia também, por que está com ela eu não sei, mas... não posso fazer nada. Já fiz até o impossível pra ele terminar com ela, e não adianta. Parece que ele depende dela pra alguma coisa, mesmo a odiando. Sei lá.

Eu:Hey, Selena. Não liga praquela vaca que o Justin chama de namorada, não. Ela é, sempre foi e sempre vai ser uma idiota.
Selena:Não tem problema. Nem ligo pra isso, e vocês podem me chamar de Sel.
Ari:E você pode me chamar de Ari. 
Sel:Uhum. 

Andamos pela escola por mais alguns minutos. A Selena é muito legal, e muito guerreira. Ela praticamente cuida da casa sozinha. Como eu. Me identifiquei bastante com ela. - o sinal tocou e Selena, Ari e eu fomos para nossa sala. Enquanto Miranda foi para a sala dela.

#.DemiOff

À noite

#.Taylor S.On

Ódio? Não. Não estava com ódio. Não ódio propriamente dito. Só estava nervosa com aquela situação. Minha mãe estava gritando com meu pai e ele estava tentando argumentar. Austin estava jogado no tapete, com uma garrafa de vodca na mão, e o termo 'bêbedo' era pouco pra ele. Eu estava andando de um lado para o outro com Natalie no colo, tentando acalmá-la, mas ela não parava de chorar um minuto. O Beadle estava mordendo alguns carrinhos do Shane, que estava dormindo sentado, na escada. 

Eu:Natalie, por favor. Para de chorar. - tentei de novo, mas ela continuava se esguelando de tanto chorar. - Pelo amor de Deus, Austin! Para de beber.
Austin:Não enche, garota. - disse embolado e resmungou mais alguma coisa que eu não entendi. 
Eu:(respirei fundo e olhei pra trás)Hey! Shane. - chamei uma vez, mais baixo que meu tom de voz normal, e andei até ele. - Acorda, docinho. - disse perto do ouvido dele, que abriu os olhos lentamente. - Sobe e deita na minha cama. Quando a vovó chegar eu te acordo. - disse baixinho.

Shane apenas assentiu, esfregando o olho esquerdo, se levantou e subiu devagar. Natalie ainda chorava alto, deitada no meu ombro. Meus pais continuavam discutindo, e quanto mais gritavam, mais Austin dava goladas e goladas naquela garrafa de vodca. 

Eu:Mãe, pai! PAREM DE GRITAR, PELO AMOR DE DEUS! - gritei, e a Natalie levantou o rosto, ainda chorando. - Não, não. Deita, amor. - empurrei a cabecinha dela, que deitou no meu ombro, mas continuava gritando de tanto chorar. 

Meus pais nem pareciam ter me escutado, continuaram com os gritos e os xingamentos. Graças a Deus, poucos minutos depois a Natalie dormiu. Levei-a para meu quarto e a deitei com Shane. Desci novamente e vi Austin andar cambaleando até a cozinha, com a garrafa vazia. Corri para a cozinha. Quando cheguei, ele estava praticamente dentro da geladeira, pegando outra garrafa de bebida. O puxei pela mão e fechei a geladeira.

Austin:Não enche, Taylor. - foi a única coisa que o entendi dizer.
Eu:Vem aqui, Austin. Vou te enfiar na água fria. - o arrastei pro jardim da piscina. 

No jardim da piscina, o empurrando, com muita dificuldade, consegui o sentar numa cadeira debaixo da ducha. A liguei no máximo e deixei a água gelada cair sobre ele, que estava de olhos fechados e respirando pesado. Depois de uns 20 minutos, desliguei a ducha e o coloquei deitado na grama. Assim que deitou, ele fechou os olhos e apagou. Voltei para a sala e os gritos continuavam. Subi as escadas e entrei com cuidado no quarto de Austin, onde Amanda dormia tranquilamente, vestindo apenas short jeans rasgado e sutiã preto. Abri o armário e peguei roupas secas e toalha para o Austin e desci novamente. Passei pela sala e os gritos continuavam, então continuei andando até onde deixei Austin. Quando cheguei, ele estava vomitando na piscina. Isso mesmo. PISCINA! Corri até lá, mas já era tarde. A piscina já estava cheia de vômito. Uma mistura da pizza que ele comeu no almoço com os pães que ele comeu na casa do Alex. Engoli seco, morrendo de nojo e o puxei. Depois de muito tentar, consegui levantá-lo e o arrastei para a varanda. Joguei-o sentado numa cadeira e tirei a camisa dele. 

Austin:Você não vai me trocar, Taylor! - disse bravo.
Eu:Cala a boca, Austin. Não me enche o saco, porque eu já estou fazendo demais por você.
Austin:Não quero que faça nada. Eu quero beber mais.
Eu:Você não quer nada. Cala essa boca. - disse enquanto o secava.
Austin:Não. - tentou se levantar, mas estava tão bêbado que caiu sentado novamente. - Não quero, Taylor.
Eu:Aff! Vai dar uma de bêbado chato agora? Fica na sua. - me ajoelhei e puxei a bermuda dele. 
Austin:TAYLOR!
Eu:Fica quieto. - comecei a secar as pernas dele.
Austin:Você não vai me ver nú, garota.
Eu:Se enxerga, Austin. Você é meu irmão e o que você tem não me interessa. Então colabora. - disse tentando tirar a cueca dele.
Austin:Não.
Eu:Eu vou rasgar, Austin.
Austin:Rasga! - desafiou cruzando os braços. 

Apenas puxei a cueca dele uma vez com força, e ela virou três. Vesti a outra cueca nele e a camisa. Ele relutou o tempo todo e me xingou muito.

Eu:Vem. Vamos subir... - puxei-o, mas ele não se moveu - Ajuda, Austin, por favor. - puxei novamente, ele saiu da cadeira, mais caiu sentado de novo. - Você é pesado, garoto. Me ajuda. - puxei mais uma vez e percebi um pequeno impulso da parte dele. Consegui levantá-lo e ele se apoiou nos meus ombros.

Arrastei ele para dentro. Passamos pela sala, onde os gritos não cessaram em nada, e o carreguei escada acima, com muita dificuldade. Levei-o ao quarto dele, abri a porta devagar para não acordar Amanda.

Austin:Ela tá pelada? - falou alto.
Eu:Shhh. Fica quieto. - repreendi o levando ao sofá.
Austin:Não quero dormir no sofá. Quero minha cama. Tira a Amanda daí.
Eu:Não. Você vai dormir no sofá, sim. - joguei ele deitado no sofá e peguei um travesseiro. Joguei pra ele e fui até a porta. - Dorme, hein. - disse. Mas foi inútil, pois ele já estava de boca aberta. Fechei a porta e desci. Quando cheguei na sala, vi a porta se batendo e minha mãe se jogou no sofá.  - Onde ele foi?
Mãe:Não sei.
Eu:Vai dormir, mãe. 
Mãe:Onde estão seus irmãos e a Amanda?
Eu:Dormindo. Estão todos dormindo. Agora vai dormir. Eu arrumo a cozinha e a sala. Fica tranquila. Vou esperar a vovó chegar, e acomodo ela no quarto de hóspedes.
Mãe:Ai, obrigada, filha. Você não sabe o bem que isso vai me fazer. - se levantou.
Eu:Boa noite, mãe.
Mãe:Boa noite. - subiu as escadas. Respirei fundo e fui para a cozinha.

Depois de arrumar a cozinha e a sala, me sentei no sofá, ao lado de Beadle, e comecei a fazer carinho nele. Encostei a cabeça no encosto do sofá e fechei os olhos. Estava exausta e devo ter cochilado uns vinte ou trinta minutos. Fui acordada pelo telefone. Estiquei a mão e atendi.

Ligação

Eu:Alô.
Aly:Oi. Desculpa ligar à essa hora. É a casa do Austin?
Eu:É sim. É a Aly?
Aly:Sim, quem é?
Eu:Taylor.
Aly:Ah, Taylor. Estava dormindo?
Eu:Não. 
Aly:É... a Amanda está aí? É que minha mãe está uma pilha de nervos.
Eu:Está, Aly. Ela está aqui.
Aly:Ai! Que bom então. Ela deu muito trabalho?
Eu:Não muito. Foi fácil dar um banho nela e a fazer dormir.
Aly:Ela está bêbada de novo, não está?
Eu:Está. 
Aly:Aiai. Essa menina não tem jeito mesmo. Então tá. Obrigada, Taylor. Desculpa ter ligado à essa hora da noite.
Eu:De nada. Não tem problema nenhum. E fica tranquila que amanhã, assim que a Amanda acordar, a levo pra casa. 
Aly:Obrigada mesmo, Taylor.
Eu:De nada.
Aly:Tchau.
Eu:Tchau.

Ligação

Quando desliguei o telefone, olhei para o lado e percebi que Beadle não estava mais lá. Ouvi a campainha tocar e me levantei. Abri a porta e vi minha avó parada, com um monte de malas. A ajudei com as malas e fechei a porta.

Eu:Oi, vovó. - dei um abraço nela - Como foi a viagem?
Avó:Foi ótima, querida. 
Eu:(sorri exausta)Que bom, vó.

#.Taylor S.Off


Continua...

Voltei, shawties !! Demorou muito, né? Foi mal, a inspiração sumiu (¬¬') ... Bom, eu tô amando escrever essa história, então...

I Hope Your Like It *--´
Xoxo :*

5 Responses so far.

  1. Uau! Eu adorei. As personagens realmente se identificam, mas achei muito puxado a situação da Taylor. Mas amei mesmo sua história >< '

    Segue meu blog, por favor ? >< '
    nelenaforever-larimusso.blogspot.com
    Obg (:
    Beeeijão ;*

  2. AAAAAAAAAH EU AMEI \O/
    Perfeito amoree :)
    Beijos e posta assim que der ok?
    Bye

  3. Dê ; says:

    Gostei, gostei, gostei, gostei >< '
    Sou nova no blog, ajuda a divulgar meu blog de fanfics Jemi? *-* '
    http://fics-skyscraper.blogspot.com/
    Divulga e segue, por favor? É muito importante pra mim >< '
    Obgobg (:
    E posta logo ;*
    beeijos .

  4. AMEEEEEEEEEEEEIIIIIIIIIIIIII
    POSTA DE NOVO PLEASEEEEE ♥♥♥
    XOXO
    BYEBYE
    LINDO, LINDO DE MORRER!!!

    É UM PALPITE, MAS ACHO QUE ESSE CASAL VAI DAR O QUE FL KKKKK
    NÉ Dany Oliveira

  5. tipo assssimmm bommmm dimais tinha q ser minha best lindaa pra fazer né huahuahauhauauahuahua #taparei mas ta muito bom vai postando mais ae !!!!


    XOXO

    LOVEEE *----*

    kissses

Leave a Reply

Comente e me faça sorrir :D